sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Ninguém


Embriaguei-me num doido desejo
E adoeci de saudade.
Caí no vago ... no indeciso
Não me encontro, não me vejo -
Perscruto a imensidade

E fico a tactear na escuridão
Ninguém. Ninguém
Nem eu, tão pouco!

Encontro apenas
o tumultuar dum coração
prisionado dentro do meu peito
aos saltos como um louco.

Texto: Judith Teixeira
Foto: Liliana Sanches

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Rita Guerra - I thought you would leave your heart with me

video

I still have both hands over old photographs

To remind me of the laughter, and tears

Times we made love, are more than enough,

To count them on my souvenirs

But the one thing I had,

I'm missing most,

Is the one thing I can't seem to find

I thought you would leave your heart with me

And that part of you is all I need

And someday you'd reappear,

'Cause you knew you left it here

The only place it could ever be

I thought I could watch you walk away

Knowing somewhere down the road you'd say:

'It was all a big mistake, it was more than you could take',

I thought you would leave your heart with me...

I was sure you were mine, just a matter of time

Until I heard your knock at my door

But I'm facing the facts, you're not coming back,

'Cause there's nothing to come back here for

All that I know, I can't keep on living a lie,

Oh, but darling... I can't hide the truth

I thought you would leave your heart with me

And that part of you is all I need

And someday you'd reappear,

'Cause you knew you left it here

The only place it could ever be

And if I only knew, what I know now,

I would have never let you go,

I'd still be holding on somehow...

I thought I could watch you walk away

Knowing somewhere down the road you'd say:

'It was all a big mistake, it was more than you could take',

I thought you would leave your heart with me...

I thought you would leave your heart with me...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Outonais

Texto: Judith Teixeira

Foto: Lovely

Às vezes chamam-lhe paixão...


É apenas o começo. Só depois dói, e se lhe dá nome.

Às vezes chamam-lhe paixão.

Que pode acontecer da maneira mais simples:

umas gotas de chuva no cabelo.

Aproximas a mão, os dedos desatam a arder inesperadamente,

recuas de medo.

Aqueles cabelos,as suas gotas de água são o começo, apenas o começo.

Antes do fim terás de pegar no fogo

e fazeres do inverno a mais ardente das estações.


Texto: Eugénio de Andrade
Foto: A. Brito

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Diferença entre Amor e Amizade


Perguntei a um sábio,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.


Texto: William Shakespeare
Foto: Kazuo OKubo

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

... a tua ausência dói-me...









Quero dizer-te uma coisa simples:
a tua ausência dói-me.
Refiro-me a essa dor que não magoa, que se limita à alma;
mas que não deixa, por isso,
de deixar alguns sinais -
um peso nos olhos, no lugar da tua imagem, e um vazio nas mãos.
Como se as tuas mãos lhes tivessem roubado o tacto.
São estas as formas do amor,
podia dizer-te; e acrescentar que as coisas simples
também podem ser complicadas,
quando nos damos conta da diferença entre
o sonho e a realidade.
Porém, é o sonho que me traz a tua memória;
e a realidade aproxima-me de ti,
agora que os dias correm mais depressa,
e as palavras ficam presas numa refracção de instantes,
quando a tua voz me chama de dentro de mim -
e me faz responder-te uma coisa simples,
como dizer que a tua ausência me dói.

Texto: Nuno Júdice
Foto: Pedro GoniO

Amor!



Amor... Quisera eu saber definir
Este sentimento que gere a vida.
Para melhor saber o que sentir
Sempre que por ele for colhida.

Amor... Palavra vá!
Carrega com ele incerteza,
Que no coração deixará
Aperto e grande tristeza.

Pode também trazer alegria,
Fazer os olhos sorrir,
Aquecer numa noite fria,
Ou até à hora de partir.

Qualquer uma destas sensações
Deixam marcas, eternamente...
Ficam gravadas nos corações
De quem ama abertamente.


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Soneto de Amor



Não me peças palavras, nem baladas,
Nem expressões, nem alma… Abre-me o seio,
Deixa cair as pálpebras pesadas,
E entre os seios me apertes sem receio.

Na tua boca sob a minha, ao meio,
Nossas línguas se busquem, desvairadas…
E que os meus flancos nus vibrem no enleio
Das tuas pernas ágeis e delgadas.

E em duas bocas uma língua…,- unidos,
Nós trocaremos beijos e gemidos,
Sentindo o nosso sangue misturar-se.

Depois…- abre os teus olhos, minha amada!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada…
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

Texto: José Régio
Foto: Nuno Manuel Baptista

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Lágrimas Ocultas


Vida





Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso,
Já me decepcionei com pessoas
quando nunca pensei me decepcionar,
mas também decepcionei alguém.
Já abracei pra proteger,
Já dei risada quando não podia,
Já fiz amigos eternos,
Já amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
Já fui amado e não soube amar.
Já gritei e pulei de tanta felicidade,
Já vivi de amor e fiz juras eternas,
mas "quebrei a cara"
muitas vezes!
Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
Já liguei só pra escutar uma voz,
Já me apaixonei por um sorriso,
Já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e...
...tive medo de perder alguém especial
(e acabei perdendo)!
Mas sobrevivi!
E ainda vivo!
Não passo pela vida...
e você também não deveria passar.
Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida e viver com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e A Vida é Muito
para ser insignificante"

Texto: Charles Chaplin
Foto: Lovely

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Ouve, meu anjo



Ouve, meu anjo:
Se eu beijasse a tua pele?
Se eu beijasse a tua boca
Onde a saliva é mel?

Tentou, severo, afastar-se
Num sorriso desdenhoso;
Mas aí!,
A carne do assasssino
É como a do virtuoso.

Numa atitude elegante,
Misterioso, gentil,
Deu-me o seu corpo doirado
Que eu beijei quase febril.

Na vidraça da janela,
A chuva, leve, tinia...

Ele apertou-me cerrando
Os olhos para sonhar -
E eu lentamente morria
Como um perfume no ar!

Texto: Antonio Botto
Foto: Paulo César

Não nos encontramos por acaso...


Cada pessoa que passa em nossa vida,
passa sozinha,
porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra.
Cada pessoa que passa em nossa vida,
passa sozinha,
mas não vai sozinha e nem nos deixará só,
porque leva um pouco de nós e deixa um pouco de si.

Há os que levam muito e deixam pouco,
há os que levam pouco e deixam muito.
Essa é a mais bela responsabilidade da vida
e a prova de que não nos encontramos por acaso.

Texto: Autor Desconhecido
Foto: Lovely